Mulato Inzoneiro

As aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá.
Gonçalves Dias
Fiz um post de mocinha, trabalhado no otimismo, mas as redes, tão azedas, não captaram nadinha. Uns 600 se empolgaram. E o restante??? Só curte quando tem treta!
 
Reclamaram reclamaram. Por email e pelo zap. Como odeiam o meu Brasil, que chamam de terra de araque: “Ô país mal ajambrado, de gente mal-educada. Tudo aqui está tão errado. Melhor chamar a armada”. Heim? Não!
 
A coisa de fato anda feia, sem muito motivo de riso. Proteste, critique e não cale, mas note que o chão anda liso. Já disse Mister Miyagi (ou o Platão, já não sei) esse trecho que os sabidos deveriam tratar como lei: se o homem se torna odiento, vira alimento de bicho – daqueles bem pequeninos, que comem por dentro da gente.
leia mais

Enquanto Agonizo

Para as Festas da Agonia
Vi-te chegar, como havia
Sonhado já que chegasses:
Vinha teu vulto tão belo
Em teu cavalo amarelo,
Anjo meu, que, se me amasses,
Em teu cavalo eu partira
Sem saudade, pena, ou ira;
Teu cavalo, que amarraras
Ao tronco de minha glória
E pastava-me a memória,
Feno de ouro, gramas raras.
Era tão cálido o peito
Angélico, onde meu leito
Me deixaste então fazer,
Que pude esquecer a cor
Dos olhos da Vida e a dor
Que o Sono vinha trazer.
Tão celeste foi a Festa,
Tão fino o Anjo, e a Besta
Onde montei tão serena,
Que posso, Damas, dizer-vos
E a vós, Senhores, tão servos
De outra Festa mais terrena —
Não morri de mala sorte,
Morri de amor pela Morte.
leia mais

O homem puro

O homem puro existe. Ele habita o maravilhoso mundo das redes sociais, um ambiente onde os rostos não tem rugas, as cinturas não acumulam gordura e errar não é humano.

Os puros são abundantes. Um coletivo de almas formosas que passaram a vida a fazer o bem, nunca cometeram um deslize, jamais pronunciaram algo de que se envergonhariam profundamente.

Os puros jamais foram tolos, injustos, irresponsáveis, cruéis, insensíveis, estúpidos, mesquinhos, invejosos. Por isso julgam com tanta severidade. Falta-lhes familiaridade com o erro. São puros. Não erram.

Os puros gostam de sangue. Humano e em grandes quantidades. Não se contentam com a humilhação do impuro.… leia mais

As aventuras de Artemísio Mangabeira no País da Roda-Viva

Meu amigo Artemísio Mangabeira, passista da Vila Isabel, foi às compras. Dado à leitura de Machado de Assis, ultimamente deu de falar como o Bruxo do Cosme Velho.
 
– O senhor me faça o obséquio de me embalar para viagem um quilo de bom senso?
 
– Tá em falta. Respondeu Otávio Tupiassu, 82 anos de idade e há mais de 40 dirigindo um sebo de livros na avenida Passos. Na sua mocidade era normal usar obséquio, rapé e bom senso.
 
– Ando sem sorte. Praga de algum mangueirense. Já procurei pela cidade toda. Ritinha, a minha filha, sugeriu uma tal feira do rolo.
leia mais

O poeta e a criminosa

Decidi começar uma vida de crimes. Já me vejo retratada por Gloria Perez em alguma novela futura, as redes sociais ardendo, psicólogos opinando, amigos envergonhados e William Bonner, com ar tão grave, a ler um editorial sobre o fim da inocência. Se apanhada, eu, criminosa não arrependida, direi que a culpa é dessa tal poesia que entra pelos olhos da gente, instala-se como vírus e nos faz amar os que estão mortos há tempos. Gente que se tornou estátua.

É que chutaram o rosto do poeta. Os óculos voaram longe e caíram ao lado do banco. O homem de camisa listrada os recolheu à sacola e saiu andando.… leia mais

Pelo caminho…

Nesse longo caminho já vi flores de primavera. Rosinhas miúdas, margaridas e cravos, lírios e tulipas traduziram a inocência dos primeiros tempos – tão breves.

Logo chegou o verão, com seus calores e risos. Tempo de despreocupação, de roupas curtas, suor no rosto, namoros e sonhos.

Agora caminho neste começo do outono. Há uns silêncios profundos em mim. Vontade de mais ouvir que falar. Certezas? Apenas que sei tão pouco da vida e das coisas. Penso nos olhos dos filhos e na pilha de livros por ler e reler. Borges, Cecília, Shaw, Rosa, Wilde, Orwell, Shakespeare, Woolf, Machado, Camus e os meus russos chamam por mim.… leia mais

Vidas de Montreal (Tardezinha)

I’ve seen things you people wouldn’t believe. All those moments will be lost in time, like tears in rain. Roy Batty, Blade Runner
Vi coisas que vocês não acreditariam. Todos esses momentos se perderão no tempo, como lágrimas na chuva.

 

Ton-don-doom. Station Place des Arts.

O sinal sonoro do metrô avisa que a partida é iminente.

O casal  sorri cúmplice. Ela veste uma saia florida, botas pesadas e um casaco bege. A bolsa cinza está um pouco desgastada. O rapaz, de jaqueta de couro e cabelo espetado fala com ela em mandarim. Os dois mantém os olhos fixos um no outro.… leia mais

Ballet de borboletas

Elas estavam pousadas nos caules longos cobertos de flores. Eram muito atraentes, com suas asinhas pintadas de laranja, preto, branco e amarelo. Irresistíveis mesmo. Olhei-as bem de perto e aproximei a câmera. O gesto as assustou e elas levantaram voo todas juntas. Pela primeira vez na vida eu me vi em uma cena de filme: cercada por uma nuvem esvoaçante de borboletas coloridas. Por alguns segundos fui Titania, a rainha das fadas de Shakespeare, e em torno de mim bailavam pequenos seres alados.

O redemoinho de cores que voavam logo encontrou um roseiral e o encanto se quebrou. Voltei a ser mortal.… leia mais

Ora, direis, observar aranhas

Clementine apareceu há um mês aqui em casa. Instalou-se sem pedir licença. Teceu uma teia comprida e agora fica pendurada, de cabeça pra baixo, entre a mesa de café da manhã e o pé de jasmim. É do tamanho da minha unha (do polegar da mão), incluindo as patas esticadas. A minúscula aranha canadense me ensina a arte de bem viver.

Clementine (pronúncia francesa, por favor) é uma tecelã. Pela manhã é ativa e serelepe. Faz reparos na teia, inspeciona os cantinhos e amplia seu território. Domina a técnica do rapel de um jeito único: mira o chão e desce velozmente, assunta um pouco no assoalho de madeira e retorna tão rapidamente como desceu.… leia mais