O louco no Hades

Todo mundo ama Vincent van Gogh. Especialmente agora, que ele está morto e seus ataques de raiva já não envergonham ninguém. Agora, quando já não escreve pedindo dinheiro aos parentes, não assedia as primas nem se casa com prostitutas, perde empregos, diz verdades inconvenientes ou tropeça, bêbado de absinto, pelas ruas.

Van Gogh comove multidões em 2017. Mas, em 1890, era objeto de riso nas ruas e de fuga dos amigos. Apedrejado pelos moleques, tido como louco por familiares, ninguém o desejava por perto. Desagradável, arrogante,  insuportável e fonte de desgosto eram expressões recorrentes para identificá-lo. Enquanto houve vida, igualmente houve enfado, raiva, distanciamento.… leia mais

Um livro por dia em 2017 – Janeiro

Minha resolução de Ano Novo foi falar de um livro ou autor por dia, em 2017.

Eis a minha lista de janeiro:

Dia 1:  Shakespeare

Shakespeare. Foto: Sonia Zaghetto

É impossível iniciar qualquer lista de livros ou autores sem falar de William Shakespeare. O bardo britânico é a tradução poética da tragédia e da comédia humanas. São inigualáveis o refinamento e a grandeza com que desnuda o que nos move. Ambição, desejos, ciúmes e angústias estão retratados com extrema crueza e profundidade nas tragédias de Shakespeare – entre as quais destaco Hamlet, Macbeth, King Lear, Romeu e Julieta, A Tempestade, Otelo, Júlio César, Macbeth, Antônio e Cleópatra, Coriolano e Timão de Atenas.… leia mais