A caixa mágica

Houve um tempo em que os dias passavam mais lentamente. Um tempo em que se olhava nos olhos das pessoas. Um tempo de livros, de árduo trabalho e de cadeiras na porta das casas. Nele, a vida se esvaía como sempre e o mundo seguia seu ritmo. Os homens sabiam de que lado nascia o sol e conheciam os nomes das estrelas no céu de verão.

Numa tarde desse tempo em que se sonhava com terras longínquas, os sábios trouxeram uma caixa mágica, onde se concentravam todas as maravilhas. Ao abri-la, os homens comuns descobriram um novo universo, muito semelhante ao seu.… leia mais

Marat

If you want to be like the folks on the hill

A working class hero is something to be

Lennon, John

Reflexão artístico-filosófica-histórica do dia sobre A morte de Marat, quadro de Jacques Louis David que está no Museu do Louvre. Jean-Paul Marat nasceu há 274 anos, no dia 24 de maio de 1743. Foi ele quem popularizou a expressão “inimigo do povo”, sucesso de público e crítica até hoje. Médico e jornalista radical, em seu jornal L ‘Ami du peuple (“O Amigo do Povo” – que outro nome poderia ter?) costumava defender a execução dos “inimigos do povo”, publicando-lhes os nomes para facilitar o justiçamento.

leia mais

A arte de cuidar do jardim em meio ao caos

Cela est bien dit, mais il faut cultiver notre jardin.

Voltaire. Candide

Setenta e duas horas em que sucessivos terremotos sacudiram o já chacolhado Brasil. Da hora em que ecoou a música do plantão da Globo anunciando o presidente grampeado até este exato momento, o país convulsiona em mais uma crise de proporções titânicas que se reinventa a cada hora. E as emoções dos brasileiros são como folhas arrastadas pela tempestade da política. Somos marionetes. A cada notícia, o coração dispara e aumenta a sensação de que o fundo do poço ainda está longe. Desesperança em toda parte.

O vazamento da delação de Joesley Batista mergulhou o País em nova e profunda crise moral.… leia mais

O dragão na garagem do sebastianismo

O ser humano é, antes de tudo, um carente. E o brasileiro não escapa à sina planetária. Quinhentos anos em busca de líder, guru, salvador, pai dos pobres, herói da nação. Imploramos constantemente por um super homem que nos salve das garras dos homens maus. Pode ser humorista, cangaceiro, macunaíma ou máquina de perpetrar sandices – o que importa é convencer a turba ignara de que é a salvação da lavoura. Às favas com a realidade: queremos mesmo é ilusão.

 Na vizinha Venezuela a fome grassa, o desabastecimento campeia, não há remédios e a população é assassinada sem piedade nas manifestações que tomam as ruas.… leia mais

Diário de Montreal – The Black Watch

 

Sonia Zaghetto

Uma chuva gelada caía sobre Montreal e a temperatura estava abaixo de 4 graus. Um vento constante varria as ruas da cidade. Mas nada disso nos fez desistir de acordar cedo no domingo para assistir à parada dos Black Watch. O desfile do legendário Batalhão de Infantaria do Regimento Real Escocês (Royal Regiment of Scotland) no Canadá é um programa imperdível para quem se interessa pela história de outros países. Ao som das tradicionais gaitas de foles, usando kilts e o famoso gorro enfeitado com pompons de lã vermelha, eles atraem todos os olhares e evocam episódios emocionantes e trágicos da história canadense.… leia mais

Diário de Montreal – Primavera

A primavera vem chegando, tímida, a Montreal. Nas árvores diante da minha casa brotam folhinhas novas e brotos em forma de pequenos cachos nas pontas dos galhos. Há dias em que chove, outros são plenos de frio, mas há também dias de sol e céu muito azul. Como se o inverno hesitasse em partir.

Os canadenses aproveitam cada segundo desse período de bom tempo. As ruas começam a se encher de passantes, os vizinhos tomam sol nas varandas, as casas ganham decoração nova e os bares colocam mesinhas na calçada. Nos quintais, antes cobertos de neve, agora há roupas estendidas no varal sendo balançadas pelo vento forte.… leia mais