Diário da Crise 21/06/2016

Ontem se comemorou 133 anos do nascimento do pintor francês Léon Bonnat.  Um dos mais inquietantes quadros de Bonnat – sobre a história de Jó, o personagem bíblico – representa com perfeição o atual estado de espírito da população brasileira. Jó, um homem próspero e feliz, perde tudo: filhos, riquezas, terras, saúde. Resta-lhe a fé em Deus. Após a sucessão de desgraças, ele emerge e recupera tudo o que perdeu.

Abatidos pelos sucessivos escândalos políticos, os brasileiros se veem cada vez mais espoliados e surpreendidos pela extensão das tragédias. Assim como Jó, o Brasil se refugia numa firmeza interna chamada fé (no caso, fé na operação Lava-Jato) para superar a dor da realidade que retira, uma a uma, as conquistas do país: a saúde se foi; os filhos destacados (empreiteiros de sucesso e políticos que se apresentavam como arautos da renovação e da ética) sucumbiram; as instituições desmoronaram, corroídas pela corrupção; os bens materiais, o conforto e a tranquilidade financeira se perderam em meio a uma  crise econômica sem precedentes.

 

Eis as principais notícias do dia:

  1. Avião de Eduardo Campos leva Polícia Federal a caixa 2 de empreiteirasOperação Turbulência descobre esquema de propinas a políticos a partir de investigação sobre aeronave que caiu em agosto de 2014, em Santos, e matou o então candidato à Presidência. PF prende dono do avião que caiu com Eduardo Campos.  Leia.
  2. Para PF, esquema criminoso financiou campanha de 2010 de Eduardo Campos. Leia. Empresa-fantasma investigada na Operação Turbulência pagou propina ao senador Benedito de Lira (PP-AL) e ao deputado Arthur César Pereira de Lira (PP-AL), diz PF. Leia.
  3. Empresa alvo da Operação Turbulência também está no radar da Lava-Jato. Câmara & Vasconcellos foi citada em delação do doleiro Alberto Youssef. Leia.
  4. Lava-Jato informa a Odebrecht e OAS que apenas uma fechará delação. Força-tarefa considera que as empreiteiras têm informações parecidas. Leia.
  5. Agenda de encontros de Léo Pinheiro pós-Lava Jato inclui Lula, Gilberto Carvalho e assessor de Dilma. Lava Jato tem o registro das reuniões com políticos do presidente da OAS, que negocia delação premiada, para escapar da cadeia por corrupção na Petrobrás. Leia.
  6. Odebrecht comprou banco para distribuir propinas. Instituição movimentou US$ 1,6 bilhão, diz executivo que se tornou delator da Lava-Jato. Leia.
  7. Cervejaria Itaipava foi sócia de ‘banco da propina’ usado pela Odebrecht. Executivos e operadores ligados à construtora e ao Grupo Petrópolis compraram instituição no Caribe em 2010. Leia.
  8. Em nota, Dilma confirma encontro com Marcelo Odebrecht, mas nega doações. Leia.
  9. Empresas ligadas ao Grupo Petrópolis (controlador da Cervejaria Itaipava) doaram R$ 63 milhões a 18 partidos desde 2010. Leia.
  10. O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou pedido do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para que parte do dinheiro devolvido pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa fosse destinada ao Ministério Público Federal (MPF) e ao próprio STF. Teori determinou que toda a quantia – R$ 79 milhões – seja entregue à Petrobras. Leia.
  11. Marcos Valério presta depoimento no MP de Minas para negociar delação premiada. Leia. 
  12. MP da Suíça diz que Henrique Alves é suspeito de crimes de lavagem e corrupção. Leia.

Eduardo Cunha

  1. Eduardo Cunha descarta renúncia, delação e cita ameaças por ter aberto impeachment. Em entrevista coletiva hoje, Cunha acusou o ex-ministro da Casa Civil, Jacques Wagner, de ter tentado barganhar votos do PT, no Conselho de Ética, para impedir que Cunha encaminhasse o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff na Casa. Segundo Cunha, em três conversas, uma delas no Jaburu, Jacques fez a oferta. O presidente afastado da Câmara também afirmou que Wagner disse que teria controle sobre o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PR-BA). Leia.
  2. ‘Ninguém tem controle sobre mim’, diz presidente do Conselho de Ética em resposta a Cunha. Leia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *