Aniversário

dali
Three Sphinxes Of Bikini. Salvador Dali

E  um dia, ao olhar no espelho, eu as descubro. Rugas cheias de profundidade e histórias. Fazem par perfeito com os cabelos que começam a ficar brancos. Olho para elas com algum carinho e nenhum medo. São o retrato do que experimentei, são o pergaminho onde escrevi o relato da minha vida.

Vejo meu rosto mudando aos poucos, o contorno do queixo se tornando mais fluido, a pele perdendo o viço enquanto a mente está ainda tão jovem, tão cheia de risos e tolices, inconsequências e minúsculas inquietações.

Este é um tempo em que a morte parece espreitar mais de perto, estreitando uns olhos de cobiça e ironia em minha direção. Tudo conspira para lembrar que o tempo escorre, desliza e escoa pelas vielas de uma dimensão da qual nada sei. Pai e mãe já se foram (e me deixaram marcada a fogo pela finitude), a barba de meu marido está descolorindo aos poucos, os filhos já perderam aquele ar que traduz infância.

Espicho os olhos para o imenso mundo e me vem uma súbita vontade de saber tudo dele, mas junto nasce uma aguda certeza: não há mais tempo. Jamais houve. Hoje gosto mais de olhar coisas, bichos, pessoas – recortes do mundo vastíssimo. Meu olho se sacia e corrige, sorrindo, a vontade tola de decifrar a grande esfinge planetária.

Logo não haverá aqui traços de mim. Ninguém saberá de minhas histórias, das lembranças que cultivei, ou meus pratos favoritos. Mesmo assim, o mundo fluirá como sempre –  risonho, perverso, generoso ou assustado.  E eu?

Eu sigo, simples e suave, certa de que a beleza de tudo isso está na trajetória, no caminho que se percorre e no prazer que se instala no peito naquele exato instante em que sorrio.

4 comentários em “Aniversário

  • novembro 11, 2016 em 8:48 pm
    Permalink

    Aniversário, idade, tempo… Bem, existem vantagens em ser velho… desculpem: idoso, para ser politicamente correto. Por exemplo, no meu caso, não me sinto mais desafiado a ser mais forte, nem mais rápido nem mais bonito do que ninguém. Também percebo melhor algumas diferenças entre ser jovem e ser “bastante vivido”. Uma delas é que, quando eu era jovem, eu tinha certeza de que queria saber tudo sobre tudo. Agora, já não mais tenho tanta certeza…

    Resposta
  • novembro 12, 2016 em 9:43 am
    Permalink

    Parabéns pelo seu aniversário.
    Amei a crônica 👏👏👏👏👏

    Resposta
  • novembro 12, 2016 em 2:04 pm
    Permalink

    Lindo texto.E só escreve quem vivem e apreendeu o essencial é desprendeu o desnecessário.
    Um beijo com gratidão pela partilha de sua vida.
    Sylvia

    Resposta
  • novembro 13, 2016 em 12:18 am
    Permalink

    Fico triste de me deparar com vcs mais velhos que eu (pais, tios, pais de amigos) assim envelhecendo, ficando enrugados e branquinhos. Certos momentos e vivências eu queria que durassem pra sempre.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *