Aprendiz de feiticeiro vai às compras

– Olha a alma aí, gente! É baratinha, está em promoção.

– Moço, quanto custa a alma de primeira?

– Veja bem. É uma alma de primeira, cultivada. Não é fácil mantê-la. E o custo de manutenção, então? Altíssimo! É preciso muito engenho e experiência para manter essas. Não quer ver nossos exemplares mais simples?

– O que você tem em termos de almas mais simples?

– Ah, temos vários modelos em promoção. Venda por atacado, você sabe. O mercado está cheio desse produto. Não é tão valorizado.

– Quero uma dúzia. Como faz para ela não fugir?

– Depende. Tem vários jeitos, mas nossos técnicos aconselham que, tão logo ela se acostume a você, mantenha-a sempre alimentada. Estude-a detidamente, viu? Isso é importante. Logo você identificará qual o alimento adequado à espécie dela.

– Essa aqui parece boa…

– Ah, sim. Esse tipo é bem fácil de cuidar, embora o custo seja um pouco alto. Mas se você tiver recursos financeiros, não terá qualquer problema. Foi criada acreditando em almoço grátis, árvore de dinheiro, essas coisas. Para mantê-la, basta bancar o papaizão mão aberta. É infalível. Vendemos muito em época de campanha eleitoral e tem um lote ótimo que alguns de nossos clientes vêm mantendo sem qualquer problema há algumas décadas. Se você tiver uma boa fonte de renda ou de cargos – os melhores são os públicos – é tiro e queda. Repita sempre o verbo “dar” associado aos substantivos “governo” ou “Estado” – elas viciam! O lote dessas está na promoção, com garantia estendida, por várias legislaturas.

– Ah, meus recursos são escassos. Não tenho cargo público ou mandato, embora ambicione um, claro.

– Entendo. Tenho algo aqui pro seu perfil. A manutenção é simples: uma dosezinha de ódio por dia.

– Ódio? Mas isso não é tóxico?

– É, né? Mas mata devagarzinho, amigo. A alma nem sente. Além do mais, todos vamos morrer mesmo, não é? Seja de câncer ou de ódio, que, aliás, são quase  a mesma coisa: comem a gente por dentro. Veja bem, esse é tiro e queda. Funciona mesmo. Temos clientes que já destruíram países inteiros apenas usando a técnica do ódio nutrido cotidianamente. É impressionante como as almas respondem bem: elas adoram odiar. Deliciam-se. Lambuzam-se. Funciona tanto para as almas aqui da direita como as da esquerda. Ah, sim: de preferência, deixe-as juntas, se retroalimentando – isso turbina os efeitos.  Depois de alguns anos, estão irreconhecíveis: totalmente dominadas.

– Entendo. Doses diárias de ódio. Algo mais?

– Sim, claro: em paralelo, alimente o medo. Dê um inimigo para as suas almas-escravas. Não demora muito e elas estão em pânico, deprimidas, prontas a abrir mão de qualquer avanço civilizatório. Apavoradas, tornam-se preconceituosas e intolerantes. O medo é uma arma poderosa e democrática: também funciona perfeitamente tanto para as almas da ala direita como para as da ala esquerda.

– E essas aqui?

– Ah, bem parecidas com as outras. Mas essas se alimentam especificamente de rancor. Manutenção relativamente simples: basta usar a técnica do ódio aliada à do medo e dizer que elas são coitadas, vítimas de alguma coisa. Em geral, você utiliza um problema real e o generaliza, promovendo uma luta contra algum outro segmento (aqui na firma a gente chama de “nós contra eles”). Costuma funcionar, desde que você se apresente como parte da solução.

– Ah, não sei, não. Um amigo mantém várias almas apenas usando sua armadura de defensor perpétuo dos fracos e oprimidos. O problema é que fala de fome alheia e come como um porco. Algumas delas escaparam ao notar…

– Ah, sim. Acontece. Mas, note, é essencial manter as almas crédulas de que você é um guerreiro genuíno, santo padroeiro das causas nobres. Para elas não fugirem em massa, basta você manter o discurso firme. Foi flagrado? Negue. Mas não aquelas negativas TTT…

– TTT?

–  Titubeantes, tímidas, temerosas…

–  Ah…

–  Seja firme, abuse da ironia, do cinismo. Chore se necessário. O importante é parecer sincero e até indignado. Não há problema em se contradizer: se a alma estiver bem nutrida, nem vai notar. Aliás, já percebeu como as almas adoram cultuar os paradoxos ambulantes? Pensamento divergente, indignação seletiva, nada disso é problema para elas.

– Humm, não sei. Acho que vou levar umas almas novinhas. Mais fácil de doutrinar.

– Boa escolha. Você sabe que se bem lavadas (cerebralmente, digo) você pode mantê-las por muitos anos. Tenho uns clientes que são peritos nisso. Por um pequeno acréscimo, você leva o Manual de Manutenção de Almas.

– Nunca ouvi falar! Isso existe, é?

– É que não é público. Foi escrito na surdina por um marqueteiro que caiu em desgraça e alguns de seus antigos patrões. Estão precisando fazer um dinheirinho extra pra pagar os advogados.

– Hum.

– Pode confiar. Produto testado e aprovado. Veja, os autores já foram desmascarados e, mesmo assim, as almas por eles cativadas continuam a acreditar cegamente no que dizem. Olha só, tem slogan, meme, frase de efeito e até as regrinhas de ouro que um guru alemão consagrou.

– Ok, me passa aí um manual e seis almas jovens.

– Você tem mais de 35 anos e não me parece muito cool. Almas jovens requerem uma habilidade especial, sabe. Tem de falar a linguagem delas. Você sabe como é: elas, no começo da carreira, são arrogantes, acham que sabem tudo…

– Sim! Já notei isso. Meu amigo Wilde, inclusive, dizia que não era jovem o suficiente para saber todas as coisas. Muito bom o Wilde, pena que morreu.

– Ah, conhei o Sr. Wilde. Uma tragédia: apesar de muito experiente, acabou sendo vítima da alma jovem que pensava haver adquirido. Grave equívoco. Mas, deixe-me prosseguir: para lidar com almas jovens há de se ter esperteza e expertise. São ariscas, costumam adotar linguajar próprio e relacionar-se apenas com quem domina esse idioma que é cada vez mais visual. Para cativá-las, utilize algum dos itens de nosso Kit-Doutrinador. Produto desenvolvido em universidades e já testado em escolas de ensino médio, bastante eficiente. Suas técnicas incluem turbinar a vaidade e aproveitar-se da inexperiência e do sentimento de superioridade moral decorrente da sensibilidade exacerbada. É infalível. Se, simultaneamente, você trabalhar a auto-imagem da alma cativa com nossas técnicas descritas no Manual de Manutenção de Almas, sucesso garantido. Olha, vem grátis esse vídeo treinamento com ações espetaculosas para fazer em público e esse glossário de termos tiro-certo: justiça social, empoderamento, guerreiro, lacrador… coração valente já foi usado, mas ainda funciona. Ah, sim, generalize e faça a alma jovem se sentir protagonista de filme. Se ela se sentir a “escolhida” e começar a fantasiar que entrará para a história como heroína de um tempo, aí ninguém segura.

– Mas as almas não notarão a manipulação?

– Imagina! Elas adoram! Use sem moderação. Ah, esqueci de mostrar: olha, esse combo aqui! É sensacional. Vem oito almas, o kit, o manual e dois artistas, que são bem eficientes para manter as almas quietas quando elas começam a fazer aquilo que é péssimo em termos de cativeiro álmico.

– Ah, é? O quê?

(sussurrando).

– Shhhh. Fale baixo. Isso é realmente perigoso.

– O que é tão perigoso assim?

– Pensar, amigo. Deus me perdoe. Pensar. Isso sempre foi responsável pela fuga de almas. Uma verdadeira tragédia para o nosso comércio.

(Imagem: Ary Scheffer (1795 – 1858). Faust and Mephistopheles, 1848)

2 comentários em “Aprendiz de feiticeiro vai às compras

  • junho 18, 2017 em 10:07 am
    Permalink

    Hoje voce conseguiu se superar. Excelentes reflexões.
    Ainda bem que não vendem almas gentis, acabariam com tudo isso.

    Resposta
  • junho 18, 2017 em 1:24 pm
    Permalink

    Texto de uma lucidez fantástica e uma criatividade excepcional! Sou uma privilegiada por poder ler o que você escreve, Sônia.Obrigada!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *