Carta a El-Rei

As armas e os Barões assinalados
Que da Ocidental praia Lusitana
Por mares nunca de antes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram.

Camões. Os Lusíadas

 

Houve um tempo, meu Senhor, em que os homens se atiraram aos mares. Frágeis barcos, águas muitas, sonhos loucos. Navegar era preciso; viver, nem tanto.

Estava eu entre eles.

Além, muito além daquele mar, vimos a terra mui nova. Ingênua, desprotegida, trazia o corpo sem pelos, tosquiada parecia. Cabelos escuros bem lisos e pele morena de sol combinavam com uns olhos tão diferentes dos meus.… leia mais

Romanza

Cheguei. Chegaste. Vinhas fatigada
E triste, e triste e fatigado eu vinha.
Tinhas a alma de sonhos povoada,
E a alma de sonhos povoada eu tinha…*

E nos olhamos, minha Pátria, minha Mãe. A jabuticaba dos meus olhos encontrou o azul dos teus, bem no centro do teu rosto pontilhado de estrelas. O nó na minha garganta me impediu de te falar de amor ou dos sonhos que carrego para nós. No silêncio que se seguiu, apertaste meus dedos, compreensiva.

Disfarcei e te apontei um pedacinho de céu a partir da janela do Waldir. Mas minha mão parou no ar.

leia mais

Lírios podres

Há um cansaço em mim. Em nós. Fruto de suprema vergonha ao ver o país se converter, a cada dia, em local onde a selvageria prevalece, a má educação campeia, os horrores se espalham e as instituições derretem.

Sob este nosso céu claro, a violência está em toda parte. Naturalizou-se. Instalou-se sem cerimônia nas salas e escolas, nos tribunais e nas igrejas. Já não é feita apenas de balas, mas também de gestos e falas corrompidos.

Das redes sociais ao plenário da mais alta Corte do país, tornamo-nos uns destemperados, reféns de boçalidades, adeptos do grito.

Os supostos detentores da razão não se refreiam.

leia mais

Babel

A intervenção num Rio de Janeiro em ruínas soou como socorro tardio, desconjuntado. E teve o efeito colateral de  desnudar aos últimos viciados em otimismo o que deveria ser óbvio: os problemas do microcosmo fluminense são os do conjunto do País. Sua solução? Quase utopia.

Apesar do fio de  esperança que insiste em sobreviver, sabemos que são de difícil implementação as medidas profundas, estruturais, que poderiam arrancar o Rio e o Brasil da falência generalizada em que mergulharam.

Tarefa imensa aos olhos dos cidadãos comuns, que anseiam por soluções definitivas mas também querem o alívio a curto prazo.  Essa espera nos perturba, exaure e a cada dia nos rouba a alegria, as boas maneiras, os traços básicos de civilidade.… leia mais

Quase Ministra

O Teatro Brasilis apresenta sua nova produção, “Quase Ministra”, peça em quatro atos, plágio mal feito da obra de Machado de Assis.
 
Personagens:
 
Cristiane Brasil, deputada, candidata a ministra do Trabalho, carente de noção, compostura, vergonha e decoro.
 
Roberto Jefferson. Pai de Cristiane, raposa experimentada na política, negociador matreiro.
 

Michel Temer. Dublê de presidente da República e ator de filmes da década de 30.

Resumo dos Atos

Ato 1 – Praça dos Três Poderes

Depois de uma conversa secreta, na qual se trocou cargos destacados por apoio às reformas – uma prática bastante comum nos arraiais de Brasília – Roberto Jefferson e Michel Temer bateram o martelo: a filha de Jefferson seria a nova ministra do Trabalho.… leia mais

Mulato Inzoneiro

As aves que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá.
Gonçalves Dias
Fiz um post de mocinha, trabalhado no otimismo, mas as redes, tão azedas, não captaram nadinha. Uns 600 se empolgaram. E o restante??? Só curte quando tem treta!
 
Reclamaram reclamaram. Por email e pelo zap. Como odeiam o meu Brasil, que chamam de terra de araque: “Ô país mal ajambrado, de gente mal-educada. Tudo aqui está tão errado. Melhor chamar a armada”. Heim? Não!
 
A coisa de fato anda feia, sem muito motivo de riso. Proteste, critique e não cale, mas note que o chão anda liso. Já disse Mister Miyagi (ou o Platão, já não sei) esse trecho que os sabidos deveriam tratar como lei: se o homem se torna odiento, vira alimento de bicho – daqueles bem pequeninos, que comem por dentro da gente.
leia mais

As aventuras de Artemísio Mangabeira no País da Roda-Viva

Meu amigo Artemísio Mangabeira, passista da Vila Isabel, foi às compras. Dado à leitura de Machado de Assis, ultimamente deu de falar como o Bruxo do Cosme Velho.
 
– O senhor me faça o obséquio de me embalar para viagem um quilo de bom senso?
 
– Tá em falta. Respondeu Otávio Tupiassu, 82 anos de idade e há mais de 40 dirigindo um sebo de livros na avenida Passos. Na sua mocidade era normal usar obséquio, rapé e bom senso.
 
– Ando sem sorte. Praga de algum mangueirense. Já procurei pela cidade toda. Ritinha, a minha filha, sugeriu uma tal feira do rolo.
leia mais

Cry me a river

Joesley chorou ao ser preso.
Geddel chorou na cadeia.
Assim como choraram, na tribuna e nos palanques, Eduardo Cunha, Lula, Delcídio, Collor, Sergio Cabral.
Nós, os pagadores de impostos, não nos compadecemos perante lágrimas de criminosos disfarçados de empresários e políticos.
É que já choramos demais.
Choramos pela roubalheira desenfreada,
pelos hospitais públicos caindo aos pedaços,
pelos remédios que apodrecem sem uso,
pelos livros jogados em lixeiras,
pelas escolas sucateadas,
pela falta de apoio à ciência,
pelas universidades à míngua,
pelos fundos de pensão dizimados,
pela Petrobras loteada,
pela Amazônia devastada,
pela distribuição de cargos a apadrinhados tecnicamente incompetentes,
pelas estradas esburacadas,
pelos policiais mortos,pelas bibliotecas e teatros abandonados.
leia mais

O Brasil que espia e aguarda

“O Brasil é muito impopular no Brasil” – Nelson Rodrigues

A tarde, num parque de Montreal, estava adorável. O público se esticava no gramado, esperando a apresentação das três principais orquestras da cidade. Mais de 400 músicos e cantores no palco. O sol se punha, pincelando de rosa e laranja o céu clarinho. Vivaldi, Leonard Cohen e Orff enchiam o ar. De repente, o coração deu um salto, veio até a boca e sussurrou algo nos meus ouvidos: os primeiros acordes de uma cantilena. Carregava consigo uma voz de uirapuru, peixes coloridos e a lua surgindo sonhadora e bela em meio às árvores da Amazônia imensa.  … leia mais

A boa fé do cidadão

Já dizia o bom e velho Aristóteles: a virtude é uma disposição interna para agir corretamente e que o cidadão aprimora pelo hábito. Demorou alguns séculos para que os gregos antigos aperfeiçoassem o conceito de areté, que traduzia a noção de excelência no cumprimento do papel que cada indivíduo ou coisa tinha na sociedade. Os filósofos participaram dessa evolução.

Faltam filósofos no Brasil. Não os tivemos jamais. Nos dias atuais, então, em que filósofo de verdade é artigo raro no planeta todo, no máximo caminham entre nós uns aspirantes a guru, arremedos de pensadores, incapazes de ocultar a vaidade e a sede de curtidas no Facebook.… leia mais